A trajetória do Brasil na Copa do Mundo feminina terminou nas oitavas. Indicadas por todos como as grandes azaronas, as guerreiras brasileiras enfrentaram a França em Le Havre, na própria França e, após o 1 a 1 no tempo regulamentar (tentos de Gauvin e Thaissa), sofreram o gol de Amandine Henry na prorrogação e foram eliminadas.

Debinha foi uma das principais jogadoras no duelo contra a França (Foto: Assessoria CBF)

Apostas

Apesar da eliminação, a partida terminou em igualdade ao término do tempo regulamentar. Sendo assim, quem decidiu investir no resultado conseguiu um retorno de R$ 4,70/um. Isso quer dizer que uma aposta no valor de R$ 100,00 colocou R$ 470,00 no seu bolso. Os odds, que são os prêmios que as casas pagam no caso do seu palpite se concretizar, foram baseados nas informações da RIVALO.

Outras casas de apostas

  • Apostas Online: França (R$ 1,33/um) x (R$ 7,75/um) Brasil; Empate: R$ 4,50/um;
  • Spin Sports: França (R$ 1,35/um) x (R$ 7,75/um) Brasil; Empate: R$ 4,80/um;
  • Betway: França (R$ 1,36/um) x (R$ 8,00/um) Brasil; Empate: R$ 5,00/um;

O jogo

Primeiro tempo

Enfrentando a torcida e o amplo favoritismo das francesas, a Seleção não se intimidou em nenhum momento. Com muita luta e habilidade, criou diversas oportunidades e conseguiu impedir os ataques das mandantes, que vinham em sua maioria pelo alto. Marta, Debinha e Cristiane, por meio de jogadas trabalhadas e em lances individuais, ameaçaram a meta europeia. 

Segundo tempo

Voltando do intervalo, a França permaneceu atacando em lances aéreos e, dessa forma, abriu a contagem. Com seis minutos jogados na segunda etapa, Gauvin tirou o zero do placar. Apesar do susto, o Brasil não sentiu o golpe e foi pra cima em busca do empate. Cristiane foi a primeira a ameaçar em cabeceio, que contou com a defesa da goleira Bouhaddi e depois de um toque no travessão.

A pressão das comandadas por Vadão surgiu efeito com 18 minutos. Em jogada pela esquerda, Debinha avançou e cruzou em direção a área. Cristiane dividiu com a defensora e não conseguiu dominar, sobrando para Thaisa, completamente livre, chutar no canto e balançar as redes. Com confiança,  Brasil seguiu atacando, mas acabou levando a decisão para o tempo extra.

Prorrogação

A primeira etapa foi uma continuação do período anterior: uma Seleção melhor organizada e indo para o ataque. A melhor oportunidade surgiu com Debinha (novamente ela). A camisa 9 recebeu na esquerda e avançou, ficando cara a cara com a goleira. A jogadora finalizou, mas viu Mbock Bathy tirar em cima da linha.

Nos 15 minutos finais, a França conseguiu o resultado logo no começo. Em cobrança de falta da direita, a volante Henry apareceu livre e empurrou para o gol, sacramentando a eliminação brasileira.